Antonio Lassance

17 janeiro 2019

5 mentiras que Onyx Lorenzoni anda contando para te convencer sobre o uso de armas de fogo



As informações foram checadas pela Agência Lupa, especializada na verificação de informações.

“Toda experiência da humanidade mostra, sem nenhuma falha que negue essa evidência, que quanto mais armada a população, menor a violência”. (Onyx Lorenzoni).

Mentira. 

Conforme a Agência Lupa lembra, em 2012, o Ipea divulgou um estudo chamado “Menos armas, menos crimes”, no qual concluiu que a diminuição da quantidade de armas em circulação também diminui o número de homicídios. 

O estudo utilizou dados do estado de São Paulo entre os anos de 2001 e 2007. Os pesquisadores apontam que a vigência do Estatuto do Desarmamento, desde 2003, contribuiu para uma redução de 60,1% no número de homicídios em SP. 

Em 2013, outro estudo do Ipea mapeou a quantidade de armas de fogo no Brasil e sua relação com as taxas de homicídio após o Estatuto do Desarmamento. Segundo a pesquisa, regiões onde houve mais desarmamento tiveram maiores quedas nas taxas de homicídio entre os anos de 2003 e 2010. 

Um levantamento feito por acadêmicos da Stanford Law School e publicado em 2017 mostrou que os estados norte-americanos que têm maior acesso a armas de fogo também têm níveis de crimes violentos não-letais, como roubos e assaltos, maiores do que aqueles onde a lei é mais rígida com relação à posse e ao porte de armas. 




“A Inglaterra, quando ela desfez a possibilidade do cidadão ter alguma arma em casa, os assaltos a residências com pessoas dentro de casa aumentaram em 40%”. (Onyx Lorenzoni).

Mentira. 

Os dados mostram o exato oposto do que diz Onyx: houve uma redução no número de roubos a domicílios na Inglaterra após mudanças legais que restringiram a posse de armas. 

Em 1997, após um atirador matar 16 crianças e um professor em uma escola na Escócia, o Reino Unido aprovou lei que, na prática, proibia a posse de armas de fogo. Desde então, o número de assaltos a domicílios despencou. 

O EuroStat, base de dados da União Europeia, mostra tendência similar. Entre 1998, dado mais antigo disponível, e 2016, o mais recente, o número de invasões feitas para subtrair objetos e bens caiu 56,5%: de 473 mil para 205 mil. 


“A Declaração Universal de Direitos Humanos (…) garante o direito de tu, na manutenção da vida, tirar a vida daquele que te agride”  (Onyx Lorenzoni).

Mentira. 

A Declaração Universal de Direitos Humanos (DUDH) não garante (e tampouco nega) o direito de um cidadão “na manutenção da vida” poder tirar a vida de outra pessoa. 
O que ela diz, em seu artigo 3, é que “todo ser humano tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal”. 


“[No referendo de 2005] as pessoas decidiram claramente que queriam manter o direito à legítima defesa”. (Onyx Lorenzoni).


Mentira. 

O referendo questionava se o artigo 35 do Estatuto do Desarmamento, em vigor desde dezembro de 2003, deveria ser alterado ou não – proibindo o comércio de armas de fogo e munições no país. 

Já a legítima defesa – entendida como o uso moderado dos “meios necessários” para repelir injusta agressão a si ou a terceiros – é garantida pelo artigo 25 do Código Penal e nunca foi objeto de referendo no Brasil.


“[De] 8,5 milhões a 9 milhões de famílias têm arma [irregular] em casa”. (Onyx Lorenzoni).

Mentira. 

O Fórum Brasileiro de Segurança Pública afirmou que não há estudos sobre a quantidade de famílias que têm armas ilegais em casa. 

O que existe é um levantamento realizado pelo Viva Rio e o Small Arms Survey divulgado em 2010. Segundo o estudo, 4,2 milhões de armas ilegais em residências brasileiras (página 102). Não é possível afirmar, no entanto, que cada família tivesse apenas uma arma. O estudo mostra também que havia, em 2010, 5,2 milhões de armas nas mãos de criminosos no país. 

No mesmo ano o Ministério da Justiça informou que 7,6 milhões de armas eram tidas como irregulares no Brasil. Na época, esse número representava mais da metade do total de armas no país: 16 milhões. 


As declarações acimas foram dadas pelo ministro Onyx Lorenzoni em entrevista à GloboNews no dia 15 de janeiro de 2019. A Agência Lupa informa que procurou o ministro para que ele respondesse a esses questionamentos. Onyx não retornou. 

Leia a matéria na íntegra na página da revista Piauí na internet.


Onyx tatuou em seu braço o versículo: 
"E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertarás" (João 8:32)




A justificativa do ministro para tal foi a seguinte: 
"Eu fiz isso para me lembrar do dia que eu errei". 

A confissão do "erro" relaciona-se ao processo aberto pela  Procuradoria-Geral da República (PGR) com base nas acusações de caixa 2 feitas por executivos da JBS, que citaram Onyx pelo recebimento de recursos não declarados na prestação de contas eleitoral - traduzindo: caixa 2.

De todo modo, a tatuagem deveria ser um alerta para outros tipos de falsidades. Pelo jeito, o ministro está dormindo e tomando banho com camisa de manga longa.



Onyx é representante da indústria de armas no país

Em valores declarados, Onyx Lorenzoni (DEM) teve doações do setor de armas de 2006 a 2014 (Agência Lupa). 

Durante campanha para prefeito de Porto Alegre, em 2008, Onyx recebeu R$ 150 mil da Companhia Brasileira de Cartuchos.

Em 2010, a Fujiwara Equipamentos de Proteção foi a maior doadora (R$ 200 mil), seguida pela Taurus (R$ 150 mil) e da Associação Nacional da Indústria de Armas e Munições (R$ 100 mil cada, valores declarados). 

A Taurus também foi uma das que mais doaram a Onyx na campanha de 2006, R$ 110 mil cada (esses são os valores declarados checados pela Agência Lupa).

Não há problema algum de parlamentares fazerem a defesa de grupos de interesse. Mas todos precisam saber que interesses estão por trás de muitas decisões. 

Tire suas próprias conclusões sobre até que ponto esse "patrocínio" eleitoral a parlamentares não enviesa a atuação dos eleitos, não em benefício da maioria da população, mas de sua parte mais privilegiada e que faz das decisões do Estado sua principal fonte de lucro?





O Brasil precisa de uma opinião pública melhor informada, atenta e democrática.
As manifestações presentes neste blog são de caráter estritamente pessoal. 
 
Para seguir o blog e receber postagens atualizadas, use a opção "seguir", ao lado.

15 janeiro 2019

Armas para uma sociedade em liquidação

A partir de agora, aquela pessoa que não sabe nem usar a seta no trânsito poderá ter uma arma.

Aquele que espanca mulheres e filhos poderá ter uma arma.

Aquele que bebe e balbucia idiomas desconhecidos quando está embriagado poderá ter uma arma.

Aquele que briga com o vizinho por causa do som alto ou do gato que arranhou o capô do carro poderá ter uma arma.

Qualquer pessoa que se altera fácil por motivos fúteis poderá ter uma arma.

E quem não faz a mínima ideia ou não dá a mínima bola para a diferença entre posse e porte também poderá ter uma arma.

Aquele que acha inofensivo fazer um disparo para o alto poderá ter uma arma.

Aquele que quiser iniciar uma carreira no tráfico de drogas ou entrar para o negócio dos assaltos poderá ele próprio adquirir uma arma ou recorrer a um "cidadão de bem"  que se disponha a comprá-la, raspá-la e vendê-la. Chega de armas de brinquedo!

A partir de agora, quem tinha medo de ladrões terá muitas razões para ter medo do vizinho, do cônjuge, dos filhos que fuçam todos os lugares da casa e pensam que tudo é brincadeira.

Conseguimos uma façanha que não era possível nem no velho Oeste. Lá, quem entrava em uma cidade tinha que entregar seus revólveres e rifles ao xerife e só os pegava de volta na hora de ir embora.

Espero que todos os que contribuíram com essa façanha estejam felizes e façam bom proveito.



Antonio Lassance, cientista político.
















O Brasil precisa de uma opinião pública melhor informada, atenta e democrática.
As manifestações presentes neste blog são de caráter estritamente pessoal. 
 
Para seguir o blog e receber postagens atualizadas, use a opção "seguir", ao lado.

Sem educação, os homens vão matar-se uns aos outros

Considerado o maior neurocientista do mundo, o português António Damásio falava em seu novo livro, 
“A Estranha Ordem das Coisas”, que 
é preciso educarmo-nos para contrariar os nossos instintos mais básicos, que nos impelem a pensar primeiro na nossa sobrevivência. 

"É preciso suplantar uma biologia muito forte", 

Damásio relaciona este comportamento ao crescimento do discurso anti-imigração e à ascensão de partidos neonazistas e outras variantes de nacionalismo xenófobo.

O livro é uma continuação de “O Erro de Descartes”, 22 anos mais tarde. Em “O Erro de Descartes” havia uma série de direções que apontavam para este novo livro, mas não tinha dados para o suportar”, explicou António Damásio, referindo-se ao famoso livro que, nos finais da década de 90, veio demonstrar como a ausência de emoções pode prejudicar a racionalidade.

Os grande motivadores das culturas atuais foram as condições que levaram à dor e ao sofrimento, que levaram as pessoas a ter que fazer alguma coisa que cancelasse a dor e o sofrimento”, explicou António Damásio.



Damásio defende que o problema é uma abordagem emocional e não racional: 

“O problema é ter mais emoções negativas do que positivas, não é ter emoções”.




Fonte: reportagem publicada por Sapo (31-10-2017) e republicada no portal Unisinos.  

Ilustração: The William T. Ayton Art Blog The Struggle for Survival, 2011, brush pen and ink on paper, disponível em http://1.bp.blogspot.com/







O Brasil precisa de uma opinião pública melhor informada, atenta e democrática.
As manifestações presentes neste blog são de caráter estritamente pessoal. 
 
Para seguir o blog e receber postagens atualizadas, use a opção "seguir", ao lado.